Internet ajuda pessoas vivendo com HIV e aids a namorar

Um dos maiores dilemas das pessoas vivendo com HIV e que pretendem ter um relacionamento duradouro é sobre se devem ou não contar ao seu parceiro ou parceira que têm o vírus, como e quando.

Foi pensando nessa difícil situação que Sandro (nome fictício) criou em 2003 o site Amorpositivo.com. “Como o preconceito em relação aos portadores do HIV é grande, o site funciona como um filtro, onde as pessoas podem ter um envolvimento afetivo mais aberto e sem o fardo de carregarem ‘o segredo’ que um dia terá que ser revelado”, comenta.

Por conta do Dia dos Namorados, Sandro liberou nos meses de maio e junho o acesso gratuito a todas as ferramentas do site, incluindo o bate-papo e a busca de pessoas por grau de interesse. “Torço para que novos casais sejam formados”, disse.

Ele pretende tornar permanente o acesso livre ao portal quando conseguir um patrocínio. Por enquanto, três meses de assinatura custa R$ 20,00 e nove meses R$50,00. “Ainda precisamos do pagamento dos assinantes para manter o site ativo”, explica Sandro.

O comerciante de celulares WRV, de 45 anos, e residente em Caraguatatuba, litoral de São Paulo, conheceu sua ex-namorada no Amorpositivo. “Estava à procura de uma companhia e fui ao Google pesquisar sites de relacionamentos”, conta.

Apesar desse namoro ter acabado há nove meses, o comerciante explica que o site foi muito importante para voltar a se sentir confiante para relacionamentos amorosos. “Foi um namoro marcante. Um furacão que passou pela minha vida durante um ano. Graças ao Amorpositivo.com, que tem um objetivo mais que maravilhoso”, diz.

Hoje, WRV se relaciona com uma pessoa que não tem o vírus da aids. Questionado sobre os planos para este Dia dos Namorados, ele sorri e responde: “Coberta e filmes”.

Além do Amorpositivo, que é um portal nacional, destacam-se como sites de relacionamentos para pessoas vivendo com HIV o RadarHIV.com, com participação de pessoas de várias partes da América Latina e o EncontrosPositivos.com, cujo acesso é mundial.

A Saber Viver, revista focada na saúde das pessoas infectadas, também tem uma seção especial que promove encontros. Na seção “Namoro ou Amizade” do site, centenas de pessoas estão cadastradas.

“Durante muito tempo vivi triste, solitária e sem esperanças. Achava que nada me restava a não ser esperar pela morte. Na seção Namoro ou Amizade, encontrei o anúncio de um ser humano maravilhoso, um homem muito especial que transformou minha vida. O que posso dizer é que voltei a sorrir, a sonhar e a ser feliz, contou para a revista a leitora Regina, de São Paulo.

Fonte: Agência de Notícias da Aids