Secretaria lança site para quem teve contato com HIV

A Secretaria Estadual de Saúde lança um site que divulga o tratamento de urgência para que o HIV não se manifeste após contato com o vírus.

Conhecido como profilaxia pós-exposição ao vírus HIV, o método é uma forma de prevenção da infecção pelo vírus, utilizando-se os medicamentos que fazem parte do coquetel para tratamento da Aids.

A medicação deve ser usada entre 2 a 72 horas depois do acidente e os medicamentos precisam ser tomados por 28 dias, sem interrupção.

Este método é indicado para pessoas que possam ter entrado em contato com o vírus recentemente, por meio de relação sexual desprotegida, ou seja, sem camisinha.

Para iniciar o tratamento, o paciente tem que passar por uma avaliação da equipe. A preferência é para quem teve relação com pessoas soropositivas já confirmadas.

Assim como a pílula do dia seguinte, o medicamento vai perdendo a eficácia a cada repetição do tratamento e por isso não deve ser usado continuamente, até porque tem muitos efeitos colaterais, tais como náusea e dor de cabeça.

hotsite lançado pela secretaria fornece orientação geral para casos de exposição ao vírus e contém endereços de mais de 300 serviços cadastrados onde a profilaxia encontra-se disponível no Estado de São Paulo. Outras dúvidas também podem ser tiradas pelo Disque DST/AIDS: 0800-16-25-50.

Fonte: EPTV – TV GLOBO

Lançada campanha para prevenir caminhoneiros contra hepatite B e C e HIV

Começou no último final de semana, em São Paulo, a campanha de prevenção da hepatite B e C e do HIV, vírus transmissor da aids, voltada para os caminhoneiros, e que se estenderá por todo o país. A previsão é a de realizar 3,6 milhões de testes rápidos para o diagnóstico precoce dessas doenças em 138 locais por meio de uma parceria entre o Ministério da Saúde, o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senast).

O lançamento da campanha foi feito pelo ministro da saúde, Alexandre Padilha, na 22ª edição da Feira do Caminhoneiro, em Guarulhos, na divisa com o município de Arujá. “Queremos que os caminhoneiros que levam a economia para todo o canto do Brasil levem também a orientações das prevenções das doenças sexualmente transmissíveis, fazendo sexo seguro, uso da camisinha e quando perceberem os primeiros sintomas que busquem tratamento. E estamos aproveitando a feira para divulgar as novas ações do ministério em torno da hepatite B e C”.

Em 230 centros de Testagem e Aconselhamento em todo o país, segundo o ministro é possível fazer testes rápidos e o ministério ampliou o acesso aos medicamentos mais modernos de combate a essas enfermidades como o uso de interferon peguilado, que pode ser aplicado uma vez por semana, aumentando o conforto do paciente já que o recomendado no uso medicamento convencional são três doses por semana.

Padilha informou que a partir de agosto haverá oferta em todo o país de testes rápidos para a hepatite B e C, cujos resultados ficarão prontos em 30 minutos. Os investimentos somam R$ 10,6 milhões

As hepatites virais são doenças que não apresentam sintomas, por isso ditas silenciosas, que podem evoluir para cirrose ou câncer. Em 2009, ocorreram no país 14.601 casos de hepatite B e 9.747 do tipo C.

Fonte: Jornal do Brasil

Saúde vai oferecer teste rápido de HIV para indígenas

Cerca de 70 profissionais da área de saúde indígena recebem, nesta semana, treinamento para fazer testes rápidos de HIV, sífilis e hepatite. Além de agirem como multiplicadores, levando o conhecimento adquirido para outros profissionais de seus distritos sanitários, eles também vão trabalhar diretamente nas aldeias.

O curso de capacitação é promovido pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, e vai durar até a próxima sexta-feira. “Este trabalho é uma prioridade para a saúde indígena, pois leva o atendimento em sua integralidade aos povos”, disse o secretário especial de Saúde Indígena, Antônio Alves de Souza. “Porém, é fundamental lembrar que todo trabalho deve ser realizado respeitando as especificidades de cada cultura.”

Para fazer o teste rápido, são suficientes poucas gotas de sangue para um diagnóstico confiável das três doenças (HIV, sífilis e hepatite) e, no tempo médio de 30 minutos, é possível obter o resultado sem que os pacientes indígenas sejam removidos para uma área urbana.

Fonte: Agência Brasil

Ativistas reclamam ao Ministro da Previdência, Garibaldi Alves, de falhas no auxílio doença e na ‘desaposentadoria´ de soropositivos

Mesmo com atestados médicos de inaptidão para trabalhar, portadores do HIV e aids estão com dificuldade de receber o auxílio financeiro da Previdência Social para casos de doença. Muitos daqueles que estavam aposentados por invalidez estão também sendo convocados a se reapresentarem ao trabalho sem condições físicas para exercerem suas funções.

Essas reclamações foram levadas por ativistas que lutam contra as DST/Aids ao Ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, em audiência ocorrida na tarde desta última quarta-feira em Brasília.

Os representantes das pessoas vivendo com HIV e aids pediram uma reavaliação da Resolução nº 89, de 2002, que aborda benefícios previdenciários para soropositivos.

Segundo a diretora da área de Saúde do Trabalho do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), Filomena Gomes, em agosto será aberta uma consulta pública sobre o assunto no site da Previdência (www.mpas.gov.br).

O Ministro Garibaldi solicitou aos ativistas um relatório com casos de perícias que atestaram como aptos ao trabalho pessoas sem capacidade laborativa.

Participaram ainda do encontro representando o Governo, o procurador federal especializado no INSS, Alessandro Stefanutto; o coordenador geral de perícias médicas do INSS, Alexandre Coimbra; e o coordenador da Unidade de Articulação com a Sociedade Civil e Direitos Humanos do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Gilvane Casemiro.

Representando a sociedade civil estiveram Cláudio Pereira, do Fórum de ONG/Aids do Estado de São Paulo; Fátima Baião e Josimar Pereira, respectivamente, do Grupo Pela Vidda do Rio de Janeiro e de Niterói; Renato da Matta, da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e Aids (RNP+) – Núcleo Rio de Janeiro; e Willian Amaral, do Fórum de ONG/Aids do Estado do Rio de Janeiro.

Fonte: Agência de Notícias da AIDS

Campanha contra o preconceito ao portador de HIV

“Como você gostaria de ser tratado se tivesse HIV? Trate as pessoas do jeito que você gostaria de ser tratado”.  Este é o slogan da campanha que a ONG Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP ), lança nesta sexta-feira, no Recife. A proposta é sensibilizar a sociedade que por pouca informação sobre a doença reproduz estigmas e preconceitos às pessoas vivendo com HIV/Aids. A iniciativa conta com a parceria da The International Exchange (TIE) e da Agência Experimental da AESO (Inata).

O lançamento acontece às 9h, na Casa da Cultura, Centro do Recife. Durante a programação, o Grupo de Teatro “Turma da Prevenção” apresentará um espetáculo sobre respeito e cidadania, também serão distribuídos espelhos com o slogan da campanha. A idéia é sensibilizar as pessoas para que elas se vejam no lugar daquela que o vírus HIV, e reflita de como gostaria de ser tratado. Para Wladimir Reis, coordenador geral do GTP , a campanha pretende conscientizar a população da cidade do Recife, Região Metropolitana e interior do Estado para um melhor acolhimento às pessoas vivendo com HIV e AIDS. “A intenção é minimizar o preconceito e a discriminação aos soropositivos, contribuindo para uma melhor qualidade de vida”, disse.

O projeto será divulgado ainda, com outbus, espelhos de bolso, adesivos para espelhos, panfletos, cartazes e nas redes sociais da instituição.
Aids no Brasil – Os números da doença no Brasil, atualizados até junho de 2010, contabilizam 592.914 casos registrados desde 1980. A taxa de incidência oscila em torno de 20 casos de aids por 100 mil habitantes. Em 2010, foram notificados 13.520 casos da doença.

Fonte: Diário de Pernambuco

Saúde realiza pesquisa para vacina contra a Aids

A Secretaria de Estado da Saúde, por intermédio do Centro de Referência e Treinamento em DST-Aids e em parceira com a Faculdade de Medicina da USP, está recrutando mais 20 voluntários para dar continuidade ao estudo de duas vacinas preventivas contra o HIV. Até o momento, cinco pessoas já foram recrutadas.

Este estudo, que vem sendo realizado desde janeiro de 2011 pelo CRT, busca verificar a melhor forma de apresentar partes do vírus HIV ao organismo. As opções que serão testadas comparam dois produtos que apresentam cópias de HIV em quantidades diferentes. “É importante ressaltar que as partes do vírus utilizadas durante os experimentos com os voluntários são sintéticas e inativas. Por isso, não há chances de contaminação. Até hoje, nenhum dos voluntários já convocados em estudos anteriores foi infectado por conta dos testes”, diz Arthur Kalichman, coordenador-adjunto do CRT DST/AIDS e responsável pela Unidade de Pesquisa de Vacinas.

Os interessados em colaborar com o estudo deverão responder a questionários sobre práticas de exposição ao HIV e também terão que passar por avaliação médica, que inclui a coleta de amostras de sangue e urina. Durante a pesquisa, os recrutados terão a disposição uma equipe de especialistas do CRT para suporte médico e psicológico.

Tanto homens como mulheres, independente da orientação sexual, podem participar da pesquisa. Entre os critérios necessários estão ter entre 18 e 50 anos de idade, ser saudável e não infectado pelo HIV, residir na cidade de São Paulo ou na região metropolitana e, no caso dos homens, ser circuncidado. Mulheres grávidas ou amamentando não podem participar.

“Na primeira vez em que recebi a vacina, em 2004, fiquei muito ansiosa, pensando no que poderia acontecer comigo. Após a primeira dose, não senti nada e tudo ficou mais tranqüilo. Sei que quando implantarem a vacina, poderei falar que participei, que estive lá quando precisaram de voluntários para as pesquisas. Tenho minha consciência tranqüila porque sei que fiz a minha parte e não fiquei de braços cruzados” , diz Helena Costa de Lima, 44, voluntária da Unidade de Pesquisa de Vacinas Anti-HIV do CRT.

A pesquisa é conduzida pela Unidade de Pesquisa de Vacinas Anti-HIV do CRT para a rede internacional de pesquisa de vacinas “HIV Vaccine Trials Network” (HVTN), sediada nos EUA e composta por instituições líderes em pesquisa em 27 cidades de quatro continentes.
Quem desejar se inscrever, deve entrar em contato com a Unidade de Pesquisa de Vacinas Anti-HIV, pelo número 11-5087-9915, pelo e-mail vacinas@crt.saude.sp.gov.br ou pessoalmente no Centro de Referência em DST/Aids, localizado na Rua Santa Cruz, 81, Vila Mariana, zona sul da capital.

Fonte: Bangaraí

Homem pega 4 anos de prisão por esconder Aids de esposa

Um homem de 44 anos foi condenado nesta semana a quatro anos de prisão no Reino Unido por ter relações sexuais com sua esposa sem revelar a ela que era soropositivo.

Nkosinathi Mabanda, do Zimbábue, escondeu da esposa que era portador do vírus HIV e também manteve relações sexuais com outras oito mulheres, as quais a Polícia não conseguiu localizar.

A vítima, uma mulher de Darlaston (norte da Inglaterra), descobriu em 2009 que Mabanda estava infectado com o vírus após ler uma mensagem de celular escrita por uma de suas amantes. Depois de entrar em contato com ela, decidiu fazer exames que confirmaram que tinha sido contaminada pelo marido, momento no qual o denunciou à Polícia.

A esposa, que preferiu manter anonimato, declarou nesta segunda-feira sentir uma mistura de raiva, pelo que Mabanda fez a ela e às outras mulheres, e alívio, porque foi condenado por seus atos.

A superintendente Jan Thomas-West, da Polícia de West Midlands, explicou que foram muitos os especialistas envolvidos no caso devido à “complexidade” que representou estabelecer se foi realmente Mabanda que infectou sua companheira.

Além disso, declarou que se sentia “satisfeita” pelo fato da pena à qual foi condenado ser contundente, já que sua vítima “terá que receber medicação durante o resto de sua vida”.

Durante o julgamento, o condenado reconheceu que tinha mantido relações sexuais com nove mulheres no Reino Unido e que sete delas desconheciam que ele era soropositivo.

O juiz, após ler a sentença, anunciou que o Ministério do Interior britânico deverá decidir se irá deportar Mabanda a seu país de origem depois de cumprir sua pena.

Fonte: Portal Terra