Teste positivo de HIV paralisa indústria pornô nos EUA

A indústria pornô de Los Angeles, principal polo de produção dos Estados Unidos, interrompeu suas atividades após um artista que participou de filmes eróticos ter feito um teste de HIV que teria produzido resultado positivo.

A pessoa que integrou o elenco de um filme pornô, não teve seu sexo ou nome divulgados e ainda será submetida a novos testes, a fim de confirmar o diagnóstico.

Mas Diana Duke, a diretora-executiva da organização Free Speech Coalition, que representa a indústria pornô, disse que a ”moratória” na produção durará até que se saiba se o ator ou atriz está de fato infectado e se teria ou não propagado o vírus.

Caso o diagnóstico venha a ser confirmado, a entidade vai pedir que os parceiros ou parceiras sexuais da pessoa que atuou nos filmes pornôs também sejam testados.

A interrupção teria contado com a aprovação dos principais executivos de produtoras pornô e afeta a multibilionária indústria.

Segundo regras acatadas pelos próprios autores de filmes pornô, os atores precisam se submeter a testes mensais de HIV, mas não há qualquer pressão pelo uso de camisinhas.

Caso anterior
Não é a primeira vez que a indústria pornô americana enfrenta uma interrupção. Em 2010, o ator Derrick Burts foi diagnosticado como portador do vírus HIV.

Desde que contraiu o vírus, Burts passou a militar pelo uso de camisinhas por parte de integrantes dos elencos de filmes pornôs, uma bandeira que também passou a ser defendida por outros ex-atores pornô e pela entidade Aids Healthcare Foundation.

A organização pretende angariar assinaturas para pedir um plebiscito sobre o uso obrigatório de camisinhas para atores de filmes pornô.

Serão necessárias mais de 41 mil assinaturas para que o pedido possa ir a plebiscito nas eleições de 2012.

Fonte: G1

Gilberto Gil participa da Campanha contra a Aids

Além de vários famosos que aderiram a Campanha na luta contra a Aids, em paceria da ONG  inglesa mantida pela família de Freddie Mercury e a Sociedade Viva Cazuza no Brasil.Segundo informações do jornal “ Folha de São Paulo”, o cantor baiano irá usar o bigode do cantor Mecury e a bandana de Cazuza como forma de chamar atenção.

Fonte: A Critica

Edital exige teste de HIV para concurso público da prefeitura de Matinhos, no Paraná, destaca O Globo Online

Um concurso público da prefeitura de Matinhos, litoral do Paraná, exige teste de HIV, além de exames de sangue e urina. A informação foi destaque no jornal O Globo Online desta quarta-feira. Segundo a reportagem a exigência é de caráter eliminatório. As vagas oferecidas pela prefeitura são nas áreas de Administração, Educação, Saúde e Serviços Gerais.

Segundo reportagem do jornal O Globo Online, desta quarta-feira, um concurso para preencher vagas nas áreas de Administração, Educação, Saúde e Serviços Gerais na prefeitura de Matinhos, litoral do Paraná, pede exames de HIV para os candidatos, além de exames de sangue e urina.

De acordo com o texto, a exigência é de caráter eliminatório. O candidato deverá apresentar os resultados dos exames, entre eles, o que mostra que o paciente não está com o vírus, para só depois realizar exame médico normal.

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLTT), que promove a cidadania desses grupos da população, recebeu denúncia de moradores do município, segundo o presidente da entidade, Tony Reis.

“Nós recebemos a denúncia de duas pessoas da cidade de que a prefeitura estaria discriminando as pessoas que têm aids. Ninguém deve ser obrigado a fazer teste compulsório de HIV. O objetivo disso é não selecionar o candidato com aids no trabalho. Hoje sabemos que as pessoas com HIV podem sobreviver 20, 25 e 30 anos Isso caracteriza um tipo de discriminação que precisamos combater”.

A Constituição prevê que são invioláveis a intimidade e a vida privada das pessoas, lembra Tony.

Em ofício enviado à prefeitura pedindo o fim da medida, ele cita um parecer de 1989 do Conselho Federal de Medicina a respeito da obrigação de um exame do tipo.

Segundo o texto, a realização de testes sorológicos de HIV viola direitos da pessoa, fere a Consolidação das Leis do Trabalho, além de contribuir em caso positivo para sua marginalização enquanto cidadão.

“A Organização Internacional do Trabalho (OIT) também é contrária a este tipo de medida. Toda a jurisprudência é contra essa tipo de pedido”, explica.

A Associação promete entrar na Justiça, caso não haja uma mudança no edital.

Na prefeitura de Matinhos, ninguém foi encontrado para comentar o caso.

Fonte: O Globo

Em hospital, 68% dos pacientes com HIV são heterossexuais

Um levantamento feito pela equipe do Hospital Emílio Ribas, da Secretaria de Saúde de São Paulo, revela que 68% dos portadores do vírus da AIDS atendidos se declararam heterossexuais. E apenas 25% dos atendidos eram mulheres. A maioria dos pacientes têm entre 30 e 40 anos. A instituição, especializada em doenças infecto-contagiosas, tem 80% de seus atendimentos voltados a pessoas com HIV.

A compilação de dados também mostrou que 20% dos atendidos estavam em uma união estável. Sobre o nível de escolaridade, 42% contavam com ensino fundamental concluído e só 0,9% possuíam ensino superior completo.

Segundo informou o médico infectologista David Uip, diretor do hospital, à assessoria de imprensa da Secretaria, o principal problema ainda é a conscientização. “Houve muitos avanços na medicina no que se diz respeito ao tratamento da Aids da década de 80 para cá, mas não adianta a medicina evoluir se toda a população não estiver consciente dos riscos da doença e de como preveni-la”.

Os números foram obtidos durante 15 dias e com acompanhamento de mais de 100 pacientes internados no Emílio Ribas, que fica na capital paulista.

Fonte: Revista Galileu

Filme O Universo de Keith Harring é destaque do Cinema Mostra Aids nesta terça-feira

Depois de uma pausa, sem exibições nesta segunda-feira, a VII edição do Cinema Mostra Aids retoma amanhã, 23 de agosto, em São Paulo, com cinco filmes. Destaque para O Universo de Keith Harring, de Chiristina Clausen.

A mesma atitude generosa que moveu Keith Haring (1958-1990) em sua arte, também valeu para a atuação no esclarecimento e nas atividades de prevenção ao HIV depois que o artista plastico norte-americano descobriu ser soropositivo. Como artista da vertente pop, ele carimbou seus ícones de temas homoeróticos das maneiras mais variadas que lhe ocorriam, e nunca fez questão de aprisioná-los em galerias. Tornou-se um nome reconhecido e valorizado em cifras, mas possibilitou que o público comum também tivesse acesso a seus trabalhos, quando criou uma loja com diversos objetos seus.

O documentário detalha essa trajetória, inclusive destacando suas passagens pelo Brasil, país de que era fã, com participação na Bienal de São Paulo e grafitando um painel ao vivo em show de Ney Matogrosso. Amigos e admiradores como Yoko Ono, o fotógrafo David LaChapelle e o coreógrafo Bill T. Jones dão seu depoimento. Sua fama fez toda a diferença quando passou a ativista em prol do combate a aids, inclusive ao criar uma fundação em favor das pessoas com HIV e aids.

Além do O Universo de Keith Harring, às 19h30, na Galeria Olido, será exibido no mesmo espaço nesta terça-feira, às 15h, De mãos atadas, de Dan Wolman; e Amor no tempo do HIV, de Beth Jones, às 17h. O Cine Olido fica na Av. São João, 473 – Centro (Estação República do Metrô).

E no Centro Cultural São Paulo, que fica na Rua Vergueiro, 1000, no Paraiso, serão exibidos os filmes 68 páginas, de Sridhar Ragayan, às 18h; e Defendendo a Verdade – Rompendo o Silêncio, de Tim Daniels, às 20h.

Os ingressos são vendidos nas bilheterias com o preço popular de R$ 1,00. Para as ONGs e locais que prestam serviços de saúde para os portadores do HIV e aids, são distribuídos gratuitamente.

Programação de terça a quinta-feira

Galeria Olido / Cine Olido (236 lugares)
Av. São João, 473 – Centro (Estação República do Metrô)
Ingressos: R$ 1,00 inteira e R$ 0,50 meia-entrada (entrada gratuita com apresentação de vale-ingresso impresso através do site http://www.aids.org.br

23/08 (Terça-feira)
15h – DE MÃOS ATADAS – Dir. Dan Wolman
17h – AMOR NO TEMPO DO HIV – Dir. Beth Jones
19h30 – O UNIVERSO DE KEITH HARRING – Dir. Christina Clausen

24/08 (quarta-feira)
15h – AIDS E PRECONCEITO – OU A PERNALONGA DA HISTÓRIA – Dir. Wilson Freire e ESTADO DE NEGAÇÃO – Dir. Elaine Epstein
17h – ACT UP – MUDANDO A DEFINIÇÃO DE AIDS – Dir. James Wentzy e Jim Hubbard e ENTÃO VOLTAMOS AS FLORES – Dir. Ana Cristina Kleindienst, João Cotrim, Julia Alquéres e Natália Manczyk
19h30 – A HISTÓRIA DE RACHEL – Dir. Chris Smart e DEFENDENDO A VERDADE – ROMPENDO SILÊNCIO – Dir. Tim Daniels

25/08 (quinta-feira)
15h – MANGOSTIM: HIVIADS NA MALÁSIA – Dir. Gregory Pacificar e JANAÍNA DUTRA – UMA DAMA DE FERRO – Dir. Vagner de Almeida
17h – ROCK HUDSON – BELO E ENIGMÁTICO – Dir. Andrew Davies e André Schäffer
19h30 – STEPHEN FRY E A AIDS – Dir. Ross Wilson

Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso
Ingressos: R$ 1,00

23/08 (terça-feira)
18h – 68 PÁGINAS – Dir. Sridhar Ragayan
20h – DEFENDENDO A VERDADE – ROMPENDO O SILÊNCIO – Dir. Tim Daniels

24/08 (quarta-feira)
16h – ROCK HUDSON – BELO E ENIGMÁTICO – Dir. Andrew Davies e André Schäffer
18h – PEDRO – Dir. Nick Oceano
20h – STEPHEN FRY E A AIDS – Dir. Ross Wilson

25/08 (quinta-feira)
16h – AMOR NO TEMPO DO HIV – Dir. Beth Jones
18h – ESTADO DE NEGAÇÃO – Dir. Elaine Epstein
20h – DZI CROQUETTES – Dir. Tatiana Issa e Raphael Alvarez

Fonte: Agência de Notícias da AIDS

Semana da Visibilidade das Mulheres Lésbicas e Bissexuais do Pará começa no próximo dia 25

O Estado do Pará é um dos poucos no qual ainda não consta no Plano de Feminização da Aids, ações  e intervenções que reconheça as mulheres lésbicas e bissexuais, considerado um atraso para o avança do enfrentamento da epidemia no País. Pensando diferente o LesbiPará, organização responsável em defender e promover a cidadania das mulheres lésbicas e bissexuais no Pará, estará promovendo durante o período de 25 a 29 de agosto de 2011 a Semana de Visibilidade das mulheres lésbicas e bissexuais do Pará, várias atividades estão previstas na programação que inclui o Seminário da Mulher Lésbica e Bissexual – Participação nos espaços de Poder e de Controle Social que acontece de 25 a 27 de Agosto no Auditório da Aldeia Amazônia em Belém; a realização da II Marcha de Visibilidade das Mulheres Lésbicas e Bissexuais e a participação na Audiênciapública que acontecerá na Assembléia Legislativa do Pará.

Para o Seminário que o LesbiPará realizará a entidade contou com o apoio do Ministério da Saúde por meio do departamento Nacional de DST-Aids e Hepatites Virais, que será representada pela Consultora Técnica Denis Ribeiro da Coordenação do Cuidado e da Qualidade de Vida; outra presença e participação extremamente importante é da Virgina Figueiredo uma das fundadoras da LBL – Liga Brasileira de Lésbicas, Lésbica, Feminista e Anticapitalista do Rio de Janeiro e a participação de Sandra Munoz da Articulação Mulher e Mídia, Diretora da Federação Baiana de Associações de Moradores da Bahia e do Movimento Lésbico e de Mulheres Bissexuais da Bahia e outras convidadas de Sergipe e outros estados a confirmarem participação.

O principal objetivo da Semana de Visibilidade das Mulheres Lésbicas e Bissexuais é reforçar a luta e a defesa dos direitos, além de debater e garantir a inclusão e execução de políticas públicas que reconheça e defenda as mulheres lésbicas e bissexuais de toda e qualquer tido de violação de direito e violência; fortalecer o Lesbipará e as mulheres lésbica e bissexuais do nosso Estado.

Já II Marcha de Visibilidade das Mulheres Lésbicas e Bissexuais do Pará, acontecerá no Dia 28 de agosto de 2011 com concentração às 15hs na Doca de Souza Franco em Belém –PA e contará com a participação de várias autoridades e a comunidade LGBT.

Fonte: Jornal do Brasil

Médica que fez cerca de segurança com seringas de sangue com HIV será denunciada ao Conselho profissional

A imprensa segue repercutindo o caso da médica Miriam Walton, de Sobradinho (DF), que, para proteger a casa, criou uma cerca com seringas com sangue supostamente contaminado com HIV. A médica também pendurou uma placa com os dizeres: “Muro com sangue HIV +. Não pule”.

Ortopedista de um hospital público de Paranoá, Miriam afirmou ter conseguido o material na própria unidade em que trabalha. Segundo a médica, a atitude ocorreu depois dela ter sido vítima de vários assaltos.

De acordo com informações do jornal Correio Braziliense, a síndica do condomínio onde a Miriam mora, Vera Barbieri, vai denunciar a ação ao Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal.

A Agência EFE publicou que vizinhos denunciaram o caso à polícia, que respondeu não poder agir “pois se trata de uma propriedade privada e não há nada que configure um crime.”

Em nota enviada à Agência de Notícias da Aids, o ativista Cazu Barros, do Rio de Janeiro, disse estar indignado com a atitude da médica. “Nós pessoas vivendo com HIV e aids, tão descriminados e estigmatizados, não podemos permitir que isso vire rotina”, afirmou. “Se ainda somos agredidos e servimos como chacotas para algumas pessoas é devido a esse tipo de situações que fazem nos enxergar como ameaça à sociedade”, acrescentou.

Segundo informações do site do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, o vírus da aids é bastante sensível ao meio externo. Estima-se que o HIV possa viver em torno de uma hora fora do organismo humano. Graças a uma variedade de agentes físicos (calor, por exemplo) e químicos, pode tornar-se inativo rapidamente.

Fonte: Agência de Notícias da AIDS