Material distribuído no Estado de São Paulo orienta profissionais de saúde sobre Profilaxia Pós-Exposição

O Programa de DST/Aids da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo está divulgando neste mês um material específico para profissionais de saúde que realizam a Profilaxia Pós-Exposição (PEP).

Ao todo são 317 serviços cadastrados no Estado, que prestam assistência a pessoas que viveram situações de exposição a infecção para o HIV: violência sexual, acidente biológico ou ruptura de preservativo em relação com parceiro sabidamente soropositivo, ou ainda relação sexual com parceiros de alta vulnerabilidade ao HIV (homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo, usuário de drogas).

O material será enviado para os serviços que realizam o procedimento até o final de março.

A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) é uma forma de prevenção da  infecção pelo HIV, por meio do uso de medicamentos que fazem parte do coquetel utilizado no tratamento da aids. “Os remédios devem ser  tomados por 28 dias, sem interrupção, para impedir a infecção pelo vírus, sempre com orientação médica”, explica Denise Lotufo, infectologista, que coordena a rede PEP no Estado. “No caso de um possível contato com o vírus HIV, busque o quanto antes um serviço credenciado. Esse primeiro atendimento é considerado de urgência, uma vez que o uso dos medicamentos deve começar o mais cedo possível”, recomenda.

O ideal é que se comece a tomar a medicação em até 2 horas após a exposição ao vírus HIV e no máximo após 72 horas. A eficácia da PEP pode diminuir à medida que as horas passam.

Esta forma de prevenção já é usada com sucesso nos casos de violência sexual e de profissionais de saúde que se acidentam com agulhas e outros objetos cortantes contaminados. A população de gays, outros homens que fazem sexo com homens e travestis é prioritária no acesso a esse atendimento de urgência, visto a proporção de pessoas com HIV neste segmento populacional ser superior àquela da população geral.

Este material será enviado em breve também para os serviços assistência especializada, pronto-socorros, hospitais universitários e outros serviços que realizam esta modalidade de atendimento no Estado de São Paulo.

Fonte: Agência de Notícias da AIDS

TJ-SP eleva indenização a mulher de Campinas que contraiu HIV em parto

Os hospitais Beneficência Portuguesa e Vera Cruz, em Campinas, interior de São Paulo, terão que aumentar o valor da indenização concedida a uma paciente que contraiu o vírus HIV, após receber três transfusões de sangue por conta de complicações no parto, em julho de 2003. A determinação do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) também prevê que o ex-marido da vítima e os dois filhos também sejam compensados. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado de terça-feira (20).

Com a decisão, a indenização à vítima, estabelecida em 1ª instância, passou de 140 salários mínimos (R$ 87.080,00) para R$ 130 mil. Além disso, segundo publicação no site do TJ-SP, o filho mais velho do casal irá receber R$ 10 mil pelas “sequelas deixadas na mãe e na vida financeira da família”, enquanto que o ex-marido e o filho mais novo receberão, cada um, R$ 25 mil para compensar “o sentimento de desconfiança de uma possível traição da mulher que justificasse a doença” e pelos “cuidados médicos especiais até os dois anos de idade, quando o diagnóstico negativo para o vírus tornou-se definitivo”, respectivamente.

O casal, de acordo com a publicação, teve um filho no Hospital Beneficência Portuguesa, mas o sangue usado durante a transfusão foi fornecido pelo Vera Cruz. A vítima descobriu a contaminação ao realizar exames pré-natais durante a segunda gravidez.

A advogada da família, Maria Eduarda da Fonseca, afirmou ao G1 que não está plenamente satisfeita com a decisão. “Esperava um valor maior, pois a família se desfez e as decisões judiciais não foram capazes de reverter isso. A mãe passou por muitos problemas”, ressalta.

Outro lado
O advogado do Hospital Vera Cruz, Rodrigo de Almeida Prado Pimentel, afirma que o hospital não possui banco de sangue e vai recorrer da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília (DF).

“Caímos de paraquedas no processo, pois a paciente foi atendida no Beneficência Portuguesa. O Vera Cruz possui convênio com um banco de sangue que atende outros hospitais da cidade. O problema é que havia um funcionário vestido com um jaleco escrito ‘Vera Cruz’ no dia da tansfusão”, explica.

Pimentel ressalta que deseja “retirar” o hospital do processo. “Acredito que tenha sido uma fatalidade, pois esse banco de sangue é antigo na cidade e deve ter cometido o primeiro erro”. O banco de sangue, explica o advogado, não consta no processo analisado pelo TJ-SP.

A advogada do Beneficência Portuguesa, Karina Olmos Zappelini, afirmou que irá conversar com a diretoria do local para saber se irá recorrer da decisão. “Estamos avaliando”, resume.

Fonte: G1

Técnicos são capacitados para aplicação de testagem rápida para HIV – São Luiz

Técnicos municipais e das secretarias estaduais de Saúde (SES) e de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap) iniciaram, nesta sexta-feira (23), uma oficina de capacitação com o objetivo de apresentar a nova plataforma de realização do teste rápido para HIV, sífilis e hepatite virais, com o chamado Dual Path Platform (DPP). O encontro é promovido pelo Departamento Estadual de Atenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs/Aids) da SES.

A nova plataforma de duplo percurso produzida pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-manguinhos substituiu a que vinha sendo utilizada na realização dos testes desde o final do ano passado. Segundo o coordenador da oficina, Orlando Frazão, com a mudança na metodologia o novo teste apresenta maior confiabilidade, tornando-o mais seguro.

A oficina prossegue neste sábado (24), em São Luis, e está dividida em dois momentos, visando priorizar, além do uso da nova plataforma (parte prática), a questão do cuidado e da humanização na atenção ao indivíduo que está fazendo os testes.

Para a médica Lêda Martins, coordenadora do setor de prevenção da SEJAP, os fatores de humanização para realização do teste e entrega dos resultados devem ser aliados à política de incentivo para realização do teste, que é opcional.

“Nós implantamos esta política junto a nossa equipe multidisciplinar, para que os encarcerados se sintam a vontade na realização da testagem rápida, tanto na chegada quanto ao final de sua passagem pela carceragem. Isso revelou uma triagem dos casos, além de oportunidade de acompanhamento, encaminhamento para os laboratórios, para outro diagnóstico e posterior acompanhamento médico”, disse a médica.

Treinamentos

Neste primeiro momento o treinamento é voltado aos profissionais que já atuam na realização do teste rápido de diagnóstico para HIV, utilizando a antiga plataforma. São técnicos de 21 municípios do Maranhão que constituem o terceiro grupo que esta sendo reciclado pelo Departamento de DSTs/AIDS da SES.

“Após as turmas de profissionais que já vinham recebendo uma série de capacitações realizadas pela SES, daremos ênfase ao treinamento dos técnicos que farão o procedimento nas unidades e CTAs e os que ainda serão inseridos no mercado”, explicou Orlando Frasão.

Fonte: Jornal Pequeno

Diagnóstico do HIV evita contaminação dos bebês

Quando assumi na Câmara Municipal de Porto Alegre em 2009 para o meu primeiro mandato, tinha em mente a disponibilização nos postos de saúde, de forma gratuita, dos testes que diagnosticassem, na hora, a presença do vírus HIV em gestantes quando elas procurassem atendimento médico. Logo o vereador Bernardino Vendrúscolo (PSD) se associou a ideia e juntos encaminhamos o projeto para apreciação e aprovação no Legislativo. Foram dois anos de discussões e debates e finalmente em 27 de outubro de 2010, por unanimidade, os vereadores aprovaram o “Programa de Diagnóstico Precoce do Vírus da Imunodeficiência Humana”, que logo passou a ser chamado de “Teste Rápido do HIV”. Hoje é com imensa alegria que vejo o programa ser implantado pelo Executivo nos postos de saúde da Capital. Em recente visita feita pelos vereadores da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) à Unidade Básica de Saúde da Lomba do Pinheiro ouvimos dos médicos e técnicos em enfermagem que a implantação do programa vinha dando resultado, mas que a procura pelo teste esbarrava na estrutura do prédio que não permitia total privacidade ao paciente na hora de coletar material para o teste. Solicitei providências à Secretaria Municipal da Saúde, no sentido de garantir privacidade a quem se habilita de forma voluntária a fazer exame.

Aliás, uma das grandes discussões na montagem deste programa foi a resistência de algumas entidades ligadas à saúde e ao amparo das vítimas de Doenças Sexualmente Transmissíveis em relação ao aconselhamento. Por meio de reuniões, fóruns e seminários, ficou provado que o teste rápido não era obrigatório, e que a paciente tinha total liberdade de escolha. Se hoje Porto Alegre é a primeira capital brasileira a realizar este tipo de exame com rapidez e eficiência, é graças a iniciativas como esta que colocam a nossa cidade na vanguarda do País mostrando que se pode fazer saúde pública de qualidade e eficiente sem pagar caro. O teste rápido, com a identificação precoce do HIV, veio para salvar vidas, pois a doença descoberta e tratada no início da gravidez possibilita que a chance de transmissão da mãe para o bebê se aproxime de zero.

Texto escrito por Thiago Duarte

Fonte: Jornal do Comércio

Principal foco de HIV no Brasil, Região Sul Recebe ação da Prudence em parceria com ONG local

Projeto “Papo da Vez”, desenvolvido pela Equipe Voluntária Brasil, foca em atuação com educadores para promover a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e a AIDS.

A DKT do Brasil, empresa detentora da marca de preservativo Prudence, é subsidiária da DKT Internacional, organização sem fins lucrativos que desenvolve programas de planejamento familiar e prevenção de DSTs e AIDS em 18 países. No Brasil, a DKT reverte parte do seu lucro para ONGs, entre elas a Equipe Voluntária, que atua no Sul do país. Com o aumento da incidência de contaminação por HIV nessa região, falar localmente sobre a prevenção se tornou imperativo. Por essa razão, a Prudence e Equipe Voluntária Brasil atuarão juntas no projeto “Papo da Vez”, um treinamento dirigido aos profissionais de educação, que informará e preparará os educadores para atenderem dúvidas sobre AIDS e DST’s.

No dia 28 de março será realizado o primeiro encontro, em Novo Hamburgo, RS. Na ocasião, médicos especialistas abordarão a sexualidade, métodos contraceptivos, medidas de prevenção, como ocorre a transmissão e o tratamento adequado para as doenças sexualmente transmissíveis. Portadores do vírus da AIDS e jovens também darão depoimentos sobre o tema para os participantes.

“A taxa de incidência do HIV em Novo Hamburgo atingiu 44,4 casos por 100.000 habitantes, enquanto a taxa nacional de casos está em 17,9. Durante o evento, além de profissionais de educação da rede municipal e estadual, profissionais da saúde e entidades sociais também participarão, a fim de promover uma grande divulgação da importância da prática de relações sexuais mais seguras”, explica Stefan Nath, diretor presidente da Equipe Voluntária Brasil.

A gerente de marketing da DKT apoia a iniciativa da ONG. A capacitação proporcionada por essa iniciativa fará com que os educadores consigam responder todas as dúvidas relacionadas à prevenção e sexualidade dos alunos, de forma clara e objetiva.

“Os casos de HIV na região Sul aumentaram consideravelmente na última década. O ‘Papo da Vez’, que será um projeto duradouro, preparará os educadores para que eles possam atuar diretamente na prevenção”, conclui.

As inscrições para o “Papo da Vez” são gratuitas e devem ser realizadas no portal: http://www.papodavez.com.br. A primeira edição do projeto será no Hotel Union Pergamon Premiun Suites, localizado na Rua Lima e Silva, 107, no Centro de Novo Hamburgo. Uma nova edição do “Papo da Vez” será realizada em Florianópolis.

DKT-Fundada em 1984 por Philip D. Harvey, a DKT International é uma entidade especializada na implantação de programas de planejamento familiar e prevenção de DSTs e AIDS ao redor do mundo. Mantém 18 programas de marketing social em 17 países – África do Sul, Brasil, China, Egito, Etiópia, Filipinas, Índia, Indonésia, Malásia, Marrocos, México, Moçambique, República Democrática do Congo, Sudão, Tailândia, Turquia e Vietnã.

A DKT do Brasil, instalada no país em 1990, é detentora das marcas Prudence e Affair, que contemplam a maior linha de camisinhas, géis lubrificantes e estimuladores do mercado, com mais de 30 produtos. Seguindo as diretrizes da matriz, a filial brasileira apoia diversas ONGs (Organizações Não Governamentais) realizando trabalhos de conscientização sobre a importância do uso do preservativo em todas as relações sexuais.

Fonte: Revista Fator Brasil