ONU: Brasil pode ser o 1º país a derrotar a Aids

O Brasil tem condições de ser o primeiro país a declarar o fim da Aids. Essa é a opinião de um brasileiro, que acaba de ser escolhido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, para coordenar as políticas públicas da Unaids (braço da organização contra a Aids).

Luiz Loures vai assumir em janeiro a vice-diretoria executiva dos programas da entidade e também um cargo mais político, o de secretário-geral assistente da ONU. O médico foi um dos pioneiros no cuidado a pacientes com Aids no Brasil.

Loures está há 16 anos na Unaids, hoje em Genebra. Ele diz que espera ver o fim da epidemia da Aids em 15 anos. Mas, para isso, é preciso quase dobrar o número de pessoas em tratamento, investir em diagnóstico precoce e no fim do preconceito.

Segundo o médico brasileiro, está havendo uma mudança na etapa de combate a doença. “Começamos a falar do fim da epidemia. O progresso científico permite isso. E estou sendo colocado neste posto para mudar e intensificar os programas e levar o maior número de países a essa meta que, agora, a gente pode começar a estimar”, observa.

Na visão de Loures, serão necessários muitos e muitos anos para erradicar o vírus, contudo, em relação à epidemia, esse horizonte seria bem mais curto e otimista. “Eu penso em 15 anos. A Aids vai continuar existindo provavelmente, a não ser que se consiga erradicar o vírus – o que é uma questão para o futuro muito mais distante. Mas vamos poder dizer que não há mais epidemia. Talvez não em todos os países ao mesmo tempo”.

Brasil

O médico brasileiro afirma não ter dúvidas de que o Brasil seja um dos líderes mundiais nesse processo. Na opinião dele, é o país que apresenta as políticas de Aids mais avançadas e mais inclusivas do mundo.

Ele se baseia nas estatísticas de acesso ao tratamento no Brasil, relatando que as coberturas são as mais altas entre as mais elevadas do mundo. Segundo o médico, isso ocorre exatamente porque o Brasil foi o primeiro país a despontar no tratamento.

“Seguindo esse parâmetro, não tenho dúvida de dizer que o Brasil tem condições de ser o primeiro país a declarar o fim da Aids”, revela, ressaltando que é preciso continuar e até intensificar essa política quem tem dado certo durante todos esses anos.

“Claro que é um país continental, complexo. E não que seja uma tarefa fácil, mas não foi fácil em nenhum momento. A trajetória do Brasil nessa área foi marcada pela coragem”, afirmou.

Fonte: Diário do Nordeste

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s