Ativistas se reúnem em Brasília para discutir metas para enfrentar o HIV e aids até 2015

O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, realizou na quarta-feira, 29 de maio, em Brasília, a Consulta Nacional com representantes da sociedade civil, academia e gestores da área de saúde para avaliar as políticas sobre o HIV e aids no país no sentido de atingir as dez metas definidas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) para 2015.

Durante a reunião, foram apresentadas informações sobre o Relatório de Meio Termo – Dez Metas pelo Unaids, que vem identificando os desafios e validando o conjunto de recomendações sugeridas pela sociedade civil, gestores de saúde e comunidade acadêmica para o País atingir as metas definidas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids para 2015. O relatório discutido nesta reunião será apresentado na 68º Assembleia Geral das Nações Unidas dedicada às dez metas em HIV e aids, que acontecerá em Genebra, em setembro deste ano.

Para Ernandi Costa, representante da Comissão Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais, o reunião foi muito produtiva e trouxe uma série de contribuições importantes para o alcance das metas de forma a incrementar a estratégia nacional de enfrentamento do HIV, aids e hepatites virais.

Adele Swechwartz, representante do Unaids, apresentou os marcos e contextos dos compromissos assumidos para o enfrentamento da epidemia e ressaltou a importância da reunião para a discussão dos avanços e desafios que as metas trazem ao país entre todos os setores da sociedade envolvidos.

Veja abaixo as dez metas a serem globalmente alcançadas até 2015 por todos os países:

1 – Reduzir a transmissão sexual do HIV em 50%;
2 – Reduzir a transmissão do HIV entre pessoas usuárias de drogas em 50%;
3 – Eliminar a transmissão vertical com amis acesso aos medicamentos pelas crianças e incentivo à realização de3 pré-natal com testagem;
4 – Aumentar o acesso à terapia antirretroviral para alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento;
5 – Reduzir pela metade a mortalidade por tuberculose em pessoas vivendo com HIV e aids em 50%;
6 – Reduzir a lacuna global de recursos para aids e reconhecer que o investimento na resposta é responsabilidade compartilhada;
7 – Eliminar as iniquidades e violências baseadas em gênero e fortalecer as capacidades de meninas e mulheres de se protegerem;
8 – Eliminar o estigma e discriminação contra pessoas vivendo ou afetadas pelo HIV, por meio da promoção de leis e políticas que assegurem a realização total dos direitos humanos e liberdades individuais;
9 – Eliminar as restrições de trânsito, permanência e residência re3alcionados ao HIV;
10 – Eliminar os sistemas paralelos e fortalecer ações integradas em HIV.

Fonte: Departamento de DSTs, aids e hepatites virais

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s