Secretaria estadual de Saúde do Tocantins realiza campanhas de prevenção às DST/Ais para as férias

Equipes da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) do Tocantins estão percorrendo durante o mês de junho 14 praias do estado para reuniões com equipes municipais para a Campanha de DST/Aids e hepatites virais para a temporada de praia 2013. O objetivo das visitas é preparar a população local para a chegada dos turistas no mês de julho e férias.

“Durante esse período as praias geram grande expectativa para população tocantinense. Por isso aproveitamos esse o momento para realizar a campanha de prevenção contra as doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais” revela o gerente de captação, Alexandre Araripe.

As visitas consistem em reuniões com equipes municipais para discutir estratégias de prevenção e abordagens da população. Serão repassadas informações para os técnicos sobre a forma correta do uso dos insumos de prevenção (preservativos masculinos, preservativo feminino e gel lubrificante), bem como o armazenamento correto, preenchimento do mapa mensal e estratégias de acesso ao público em geral.

Cada município é orientado a realizar uma serie de atividades para envolver os jovens e a população conscientizando sobre como se divertir com segurança. Uma das ações é disponibilizar “barracas da saúde” nas praias, nos postos de gasolina e em lugares com grande fluxo de pessoas. Serão realizadas também blitz para entrega de foolderes e preservativos em bares, blocos, rodoviárias e terminais de Van.

Municípios

Os municípios que estão recebendo visitas são: Araguatins, Araguanã, Araguacema, Caseara, Pedro Afonso, Peixe, Filadélfia, Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão, Juarina, Paranã, Porto Nacional, Itaguatins e Tocantinópolis

Fonte: Secretaria de Saúde do estado de Tocantins

Ativistas se reúnem em Brasília para discutir metas para enfrentar o HIV e aids até 2015

O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, realizou na quarta-feira, 29 de maio, em Brasília, a Consulta Nacional com representantes da sociedade civil, academia e gestores da área de saúde para avaliar as políticas sobre o HIV e aids no país no sentido de atingir as dez metas definidas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) para 2015.

Durante a reunião, foram apresentadas informações sobre o Relatório de Meio Termo – Dez Metas pelo Unaids, que vem identificando os desafios e validando o conjunto de recomendações sugeridas pela sociedade civil, gestores de saúde e comunidade acadêmica para o País atingir as metas definidas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids para 2015. O relatório discutido nesta reunião será apresentado na 68º Assembleia Geral das Nações Unidas dedicada às dez metas em HIV e aids, que acontecerá em Genebra, em setembro deste ano.

Para Ernandi Costa, representante da Comissão Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais, o reunião foi muito produtiva e trouxe uma série de contribuições importantes para o alcance das metas de forma a incrementar a estratégia nacional de enfrentamento do HIV, aids e hepatites virais.

Adele Swechwartz, representante do Unaids, apresentou os marcos e contextos dos compromissos assumidos para o enfrentamento da epidemia e ressaltou a importância da reunião para a discussão dos avanços e desafios que as metas trazem ao país entre todos os setores da sociedade envolvidos.

Veja abaixo as dez metas a serem globalmente alcançadas até 2015 por todos os países:

1 – Reduzir a transmissão sexual do HIV em 50%;
2 – Reduzir a transmissão do HIV entre pessoas usuárias de drogas em 50%;
3 – Eliminar a transmissão vertical com amis acesso aos medicamentos pelas crianças e incentivo à realização de3 pré-natal com testagem;
4 – Aumentar o acesso à terapia antirretroviral para alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento;
5 – Reduzir pela metade a mortalidade por tuberculose em pessoas vivendo com HIV e aids em 50%;
6 – Reduzir a lacuna global de recursos para aids e reconhecer que o investimento na resposta é responsabilidade compartilhada;
7 – Eliminar as iniquidades e violências baseadas em gênero e fortalecer as capacidades de meninas e mulheres de se protegerem;
8 – Eliminar o estigma e discriminação contra pessoas vivendo ou afetadas pelo HIV, por meio da promoção de leis e políticas que assegurem a realização total dos direitos humanos e liberdades individuais;
9 – Eliminar as restrições de trânsito, permanência e residência re3alcionados ao HIV;
10 – Eliminar os sistemas paralelos e fortalecer ações integradas em HIV.

Fonte: Departamento de DSTs, aids e hepatites virais

Governo seleciona pesquisa em DST, aids e hepatite

O Ministério da Saúde lançou edital para selecionar pesquisas em DST, aids e hepatites virais. O edital, que contempla 23 linhas de pesquisa, prevê investimentos de R$ 4 milhões para o financiamento dos estudos. Os projetos devem escolher entre três temas: prevenção e epidemiologia; diagnóstico e desenvolvimento tecnológico; e gestão e avaliação de políticas públicas de saúde.

Metade dos recursos se destina a pesquisas voltadas para prevenção e epidemiologia. Uma das linhas de pesquisa nessa área é a aceitabilidade e a efetividade de novas tecnologias de prevenção ao HIV, como profilaxia pré-exposição sexual, circuncisão, tratamento como prevenção e microbicidas. As inscrições já estão abertas e o edital completo pode ser acessado no site do ministério.

Imagem

Entre as populações-alvo dos estudos estão profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens, travestis e transgêneros. O investimento em pesquisas tem como foco, ainda, pessoas privadas de liberdade e população de rua.

“É fundamental conhecer as metodologias de intervenções locais bem-sucedidas, principalmente com foco em populações em situação de maior vulnerabilidade”, avalia o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco.

Segundo ele, o incentivo à pesquisa contribui para o aprimoramento da política brasileira de aids e hepatites virais, e para a implementação de políticas públicas de saúde. As inscrições serão recebidas até 11 de março de 2013. O resultado da seleção deve ser divulgado em 28 de março no site http://www.aids.gov.br.

Podem participar da seleção, instituições de ensino superior, institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento públicos ou privados, sem fins lucrativos. Empresas públicas, organizações não governamentais e serviços de saúde que desenvolvam atividades de pesquisa, também podem concorrer ao financiamento.

Fonte: Info Abril

Caminhada em Piracicaba marca Dia Mundial de Combate à Aids

AIDSPIRACICABA

Pelo menos 100 pessoas participaram da caminhada de conscientização e prevenção à Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids), Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e hepatites virais, realizada neste sábado (1º), em Piracicaba (SP) em comemoração ao Dia Mundial de Combate à Aids. A concentração aconteceu em frente ao Mercado Municipal e a passeata seguiu até a Praça José Bonifácio no Centro.

“Nós nos reunimos para mobilizar a população e conscientizar. É importante estimular a prevenção do HIV e outras doenças, por isso a importância dessa caminhada”, disse o presidente da Centro de Apoio aos Portadores do Vírus HIV/Aids, Hepatites Virais e Câncer de Piracicaba (Caphiv), Paulo Soares, de 32 anos.

Participaram da caminhada pessoas da terceira idade, membros da Caphiv, do Grupo Pela Liberdade e Inclusão de Travestis e Transexuais Expressando o Respeito (Glitter) e do Grupo E-JOVEM de Adolescentes Gays, Lésbicas e Aliados de Piracicaba. Durante o percurso foram entregues o laço da solidariedade, símbolo da campanha, panfletos com orientações e preservativos.

Depois de perder um irmão com HIV há dois anos, a aposentada Isaura de Fátima Claro Fernandes, de 58 anos, pediu que as pessoas se mobilizassem contra a doença. “É importante cuidar de si e é uma forma de orientar a todos sobre a prevenção, que existem métodos. É só utilizá-los”, ressaltou.

“Quando você se previne de doenças, você está se prevenindo a tudo. E é onde você encontra o respeito a si, e ao próximo”, comentou a responsável pelo do Centro de Doenças Infecto-contagiosas (Cedic) de Piracicaba, Regina Teixeira.

Fonte: G1

Programa Geração Sem Aids mobiliza mais de 500 alunos

Nesta quita-feira, 29, mais de 500 estudantes na zona Norte de Aracaju participaram de uma tarde de debates sobre HIV, Sífilis e Hepatites B e C e formas de prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Com a atividade, a Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) soma forças pelo 1º de dezembro – Dia Mundial de Luta Contra Aids.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Oviedo Teixeira, no bairro José Conrado, recebeu a palestra do Programa Geração Sem Aids. A iniciativa é uma parceria entre Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e Secretaria Municipal da Educação (Semed).

Com a presença animada da artista e drag queen Kharolyne Prínscipal, foi promovido um debate esclarecedor com técnicos do Programa Municipal de DST, Aids e Hepatites Virais, Programa Saúde da Mulher e Coordenação de Promoção de Saúde (COPS) da SMS. Da ação, adolescentes interagiram tirando dúvidas com os profissionais da Saúde e recebendo prêmios comemorativos como caderneta do adolescente, capas de cadernos comemorativas da luta contra Aids, agendas e panfletos informativos com mensagens de prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) e uso da camisinha.

O coordenador do Programa Municipal de DST, Aids e Hepatites Virais, Andrey Lemos reforça que o bate papo com a juventude é uma ação fundamental. “Assim formamos cidadãos esclarecidos e conscientes do risco real que é uma relação sexual desprotegida e as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Acima de tudo, estimulamos os jovens a enfrentar o tabu e os preconceitos. Hoje, muitas das DSTS tem cura e tratamento. A Aids embora não tenha cura, tem tratamento e não a motivo para pânico ou preconceito, a pesssoa deve se amar e cuidar da saúde”, explicou
Testes Rápidos

Durante os debates, os técnicos da SMS esclareceram que a PMA mantém o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA). O serviço está localizado no Centro de Especialidades Médicas (Cemar), do bairro Siqueira Campos, e permanece em funcionamento de segunda a sexta-feira das 7 às 17h, disponível para todos os cidadãos que desejam fazer o teste. Para acessar o serviço é apenas necessário ter em mãos o numero do Cartão SUS e um documento de identificação como CPF ou RG. Lá são disponibilizados testes para HIV, sífilis e hepatites B.

Fonte: Infonet

Ações estão inseridas na programação da Semana de Prevenção, preparando o Dia Mundial de Luta Contra Aids

A Secretaria Municipal de Saúde de Três Lagoas, desde segunda-feira (26), vem se mobilizando, através de ações específicas do Programa Municipal DST, Aids e Hepatites Virais, dentro da programação da Semana de Prevenção. Como havia sido programado, equipes do DSD/Aids com equipes do Sest/Senat (Transportes) estão realizando ações de abordagem aos motoristas de caminhão, no Posto Fiscal de Jupiá, desde as 8h desta quarta-feira (28).
Estas ações preventivas, incluindo Testes Rápidos e exames de visão, deverão estender-se até às 16 horas, tendo como público alvo os profissionais do transporte de carga que trafegam por Três Lagoas.

 


Estas ações oferecem à população a oportunidade de Testes Rápidos dessas doenças, variado material educativo, orientações e distribuição gratuita de preservativos.
A Semana de Prevenção terá seu encerramento em evento a ser realizado na Praça Senador Ramez Tebet, no próximo sábado (24), das 8h às 12h, quando será celebrado o Dia Mundial de Luta Contra Aids.
QUINTA-FEIRA
Para esta quinta-feira (29), as ações da Semana de Prevenção estarão voltadas para os profissionais da Saúde que trabalham no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Álcool e Drogas (AD). Os profissionais da Saúde estarão participando de oficinas sobre drogas e redução de danos.
No mesmo dia, o pessoal estará no Quartel do 5º Grupamento de Bombeiros, em apoio ao Centro de Referência de Apoio à Mulher (CRAM), da Secretaria Municipal de Assistência Social, a partir das 17h.
Na oportunidade, será proferida palestra, abordando a temática da “Mulher e a Vulnerabilidade às DSTs”.

Fonte: Jornal Dia Dia

Três Lagoas terá Semana de Mobilização para Diagnóstico das DST/Aids

Em Três Llagoas, a semana de Mobilização para Diagnóstico de Aids, Sífilis e Hepatites B e C acontecerá no período de 26 de novembro a 1º de dezembro. A promoção é da Secretaria Municipal de Saúde, por meio do programa DST/Aids e Hepatites Virais. A programação está relacionada ao Dia Mundial contra a Aids, comemorado no dia 1º de dezembro.

De acordo com Susie Donero, psicóloga e coordenadora do Centro de Testagem e Aconselhamento (CAT), as ações desenvolvidas serão voltadas para a população em geral e para os grupos populacionais mais vulneráveis à exposição do HIV como profissionais do sexo e usuários de drogas. Os exames de HIV, Sífilis, Hepatite B e C serão realizados por meio do teste rápido – 30 minutos, em média. A equipe de saúde espera realizá-lo em cerca de 500 pessoas.

O objetivo da campanha é conscientizar a população sobre os benefícios do diagnóstico precoce. “Quando mais cedo for iniciado o tratamento, maior será a chance de o doente ter uma melhor qualidade de vida. Muitas pessoas optam por não fazerem exames para não terem conhecimento do seu estado de saúde, porém, a ideia do CAT é mudar esse comportamento, desmistificar o exame e mostrar a importância dele e dos tratamentos”, informou Susie.

Para atingir um grande público, o programa DST/Aids elaborou uma ampla programação. Na próxima segunda-feira, no período das 8h às 16h, em parceria com a ONG GAE Vida, será feito um trabalho específico com as profissionais do sexo. Na quarta-feira, será a vez dos caminhoneiros. Para isso, a Secretaria da Saúde (Imunização e programa DST/Aids), em parceria com Sest/Senat, estará no Posto Fiscal do Jupiá. No local, das 8h às 16h, será feita a distribuição de camisinhas, panfletos, testes rápidos e aplicação de algumas vacinas. Já no dia 29, a equipe do programa DST/Aids estará capacitando profissionais da área da saúde do Caps/AD sobre as maneiras de abordar as DSTs com os usuários de drogas, e, às 17h, no Corpo de Bombeiros, dará um suporte aos profissionais do Centro de Referência de Apoio à Mulher (CRAM), que vão ministrar a palestra “A mulher e a vulnerabilidade das DSTs”. Na sexta-feira, a equipe desenvolverá trabalhos específicos, ou seja, uma capacitação com os profissionais do Caps/AD.

Para encerrar a programação, no sábado de manhã, na Praça Senador Ramez Tebet, serão realizadas várias ações: testes rápidos, distribuição de panfletos e camisinhas.

A expectativa dos profissionais da saúde é que a população três-lagoense participe da campanha e faça o teste rápido. “Hoje, a Aids está estabilizada no Brasil, porém, percebe-se uma interiorização da doença que, antigamente, era mais concentrada nos grandes centros”, esclareceu Susie.

Em Três Lagoas, mais de 400 pessoas convivem com o vírus HIV. Apenas neste ano, até setembro, foram registrados 29 novos casos. No ano passado, foram diagnosticados 32 novos casos. (Confira, no gráfico ao lado, os números da doença no Brasil).

Fonte: Jornal Povo Três Lagoas